terça-feira, 5 de julho de 2011

Concluídas assembleias regionais

As assembleias regionais já foram concluídas:
das 30 assembleias realizadas entre ontem e hoje, 17 decidiram pela suspensão da greve; 11  pela continuidade e duas não definiram, preferindo seguir a orientação da assembleia estadual marcada para amanhã, 6 de julho, às 14h, na passarela Nego Quirido, em Florianópolis.

18 comentários:

  1. e acaba assim a greve???

    alguém vai me devolver meu orgulho de professor ferido?

    ResponderExcluir
  2. Tudo indica pelo número de regional que quer a suspensão da greve ela será suspensa. Não é o que o meu coração diz nesse momento, mas o que a razão diz, pois nos últimos dias o que eu venho percebendo na minha escola é a redução do número de professores em GREVE. O momento é de reflexão: mais da metade das regionais pede a suspensão da greve. O que percebo é que a maioria das regionais que querem a greve é do litoral. Professor de Filosofia VILMAR DA SILVA, TAIÓ - SC

    ResponderExcluir
  3. PARABÉNS SINTE!!!! Pela forma como foi conduzido o processo. Seu papel é ficar com a maioria das regionais e a maioria pede a suspensão da greve por um tempo determinado. Acredito que se a greve continuar ficaremos fracos e perderemos o apoio da sociedade em função do grande número de regionais que pedem a suspensão da greve por um tempo determinado

    ResponderExcluir
  4. Colegas, voltamos a sala de aula com dignidade e cabeça erguida. A vitória é nossa!!

    Prof. João Antonio

    ResponderExcluir
  5. A greve vai terminar assim?
    Sem o piso na carreira, com um aumento ridículo depois de algumas "negociações" com o governo.
    É lamentável e vergonhoso para a classe!

    ResponderExcluir
  6. Estou perplexa! Por sorte sou ACT, é mais fácil escolher outro caminho nesta condição. Provavelmente este será meu segundo e último ano na Educação. Não consigo acreditar que tantos anos investidos na minha própria formação são manipulados pela tirania de promessas políticas. Contar com uma próxima greve? NUNCA. É o mesmo que contar com o ovo no... (vocês já conhecem a expressão). Se o Governador precisa de prestações, eu tenho várias: Casa, Luz, Água, Telefone, Roupas, Comida... E se precisa de condições de pagamento a Colombo oferece 30/60/90 dias no cheque especial ou cartão. Por que a categoria tem que aceitar estas condições? Temos a faca e o queijo na mão, e quem consegue pressionar é o queijo??? Deviamos ter voltado diante da primeira ameaça do governador, assim a infelicidade seria muito menor. Agora, além de mais de R$1.000,00 descontados do meu salário, volto para a sala de aula sem um pingo de dignidade. Deprimida e sem vontade alguma de ficar. Nem sei a quem devo agradecer por todos estes sintomas. É muito emocionante saber que o digno chefe do Estado vai pagar tudo em janeiro, quando os ACTs não tem vez. Me envergonho desta categoria. Mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Comentário do Moacir Pereira no blog dele:

    Moacir Pereira diz:
    5 de julho de 2011 às 6:51 pm

    "Carissima Luizane
    Se os professores continuarem unidos, fortes, exercendo a cidadania, não tenho a menor dúvida de que viveremos todos um novo capítulo. Abraços, Moacir"

    AGUENTEM MAIS UM POUCO, GUERREIROS!!

    AMANHÃ: CONTINUIDADE!

    ResponderExcluir
  8. Leandro Liranço5 de julho de 2011 19:25

    Quando me disseram que a categoria era desunida eu comecei a duvidar ,pois vi que parecia que todos estavamos lutando por algo que era nosso (lei 11738)e várias manifestações por esse objetivo e agora passados 50 dias, percebi que alguns tiveram gratificações (efetivos) garantidas para o 2012 e outros recebendo valores ridiculos e ainda perdendo beneficios (act). E que se viu esta semana, a maioria opta pelo fim de greve como se as propostas apresentadas pelo governo fosse aquelas que pedimos no início da greve. Lamentável e o pior , esta categoria é realmente desunida e acessorada por um sindicato incapaz de pressionar e negociar com governo. Perdi meu salário, tempo, dignidade e o principal que é a moral perante meus alunos. A vida continua , pena que a luta ficou apenas na ilusão. Mas mesmo assim ainda gritarei É GREVE, É GREVE , É GREVE até o fim.

    ResponderExcluir
  9. E o pior é que teremos que repor os dias de greve, sem ter ganhado nada se ela terminar amanhã. É realmente lamentável!

    ResponderExcluir
  10. Leandro Liranço5 de julho de 2011 19:41

    só cometi um erro grave, escrevi errado, o correto é assessorada, além de ficar sem salário ,esta greve me deixou burro.

    ResponderExcluir
  11. A GREVE É UM DIREITO NOSSO, É LEGAL, SOMENTE AMANHÃ COM A ASSEMBLÉIA ESTADUAL É QUE DECIDIREMOS PELA MANUTENÇÃO OU NÃO DA GREVE.

    JÁ QUE A GREVE É LEGAL DEVEMOS SIM CONTINUAR.

    ResponderExcluir
  12. Gente, a greve não acabou!

    amanhã tem assembleia e ela será soberana!

    CONTINUIDADE!

    E tem mais, aguardem a posição do juiz sobre os descontos.

    Não votem nada sem essa decisão, pois ela é o retrato do governo. Um governo que já parte do pressuposto que os professores não vão repor aulas se continuarem a ser pagos.

    Se o governo não confia nos professores, por que dar voto de confiança ao governo?

    É preciso merecer lealdade.

    E lembrem-se, nada de unilateralidade.

    Chega de o professor ter que se sacrificar sempre pelo bem da humanidade (até pq ele já faz isso todos os dias, em greve ou não, com o salário de fome que tem).

    Força e amanhã: GREVE!

    Venham confiantes, e lembrem-se: juntos vocês são mais fortes!

    ResponderExcluir
  13. Queridos mestres,parabéns a todos que acreditam e lutam por uma educação de qualidade para nossos filhos que não tem condições de pagar uma escola particular. Vocês não podem parar agora sem terem atingido seus objetivos pois ficarão frustrados, desanimados... e isso vai refletir na educação de todos. Nós pais confiamos em vocês professores. bOA SORTE.. GUERREIROS.. HERÓIS DE NOSSOS FILHOS.

    ResponderExcluir
  14. Boa noite colegas, aqui em Blumenau na assembleia o que percebi é que uma grande parcela dos professores querem a continuidade da greve. O resultado a favor da suspensão foi muito pequeno. Portanto vamos amanhã a Florianópolis e unir forças com o pessoal do Sul e norte do estado e manter firmes na luta, pois se retornarmos nessas condições, podemos ensacar a viola e o piso e a carreira também.
    MIKAIL - BLUMENAU

    ResponderExcluir
  15. ISSO MIKAIL DE BLUMENAU! VENHAM TODOS!

    A greve vai coontinuar!

    ResponderExcluir
  16. amanha vamos ter um novo cenário político sindical no estado, de um lado colombo e sinte juntamente com os desertores conformados de cabeça erguida, mas sem nada. do outro lado uma nova era cindical dos professores em santa catarina. eu quero essa mudança cindical.

    SIRINEU regional grande florianópolis

    ResponderExcluir
  17. LUIS SCHNEIDER / PASSO DE TORRES5 de julho de 2011 23:49

    gente pensando bem não é o governo mas sim nós mesmo colguem umas aspas ai q estamos acabando com a greve, vmos pensar e repensar, o por que entramos nela, pensado:: PISO E CARREIRA e agora o cmando acita uma suposta proBosta do governo em cima de uma regencia q unica e exclusiva nossa por batalhas anteriores, então me digam...... como fica o caso do ACT q até agora sustentou a greve algo inedito,,, e onde o comando pensou neles pois a regencia ele ja perderam o piso ja era o concurso ja era o plano de carreira ja era e então coo ele ficam. tou falndo como efetivo com 28 anos de serviço, como vaos dizer e chama los para uma futura paralização se alguem me dizer ficarei alegre não por mim mas pelos futuros q eles terão.

    ResponderExcluir
  18. Fonte: Blog Moacir Pereira

    “Regência não é piso!”

    5 de julho de 2011

    Declaração distribuída esta noite pelos comandos regionais de Florianópolis e São José:

    ”Em meados do mês de maio “acordamos” enquanto categoria: PISO JÁ! Após a decisão final do STF sobre o Piso Profissional Nacional do Magistério, percebemos a legitimidade de uma nova LUTA. Assembleias Regionais em todo o estado validaram esta verdade. O grito de “PISO JÁ!” foi e é nossa bandeira.

    A última proposta apresentada pelo governo traz um novo ENGODO. Pois quer apenas ACABAR COM A GREVE. Ele não pensa na necessidade de garantir os direitos dos profissionais do Magistério Público Catarinense, visto que mascara o cumprimento da Lei do Piso, sem gastar muito para não ter que buscar os “recursos reservados”.

    A receita usada é boa, se não fosse UMA GRANDE SACANAGEM COM A CATEGORIA: tira dos próprios grevistas os recursos, atordoa-os com coações, retém os salários, faz várias rodadas de “não negociação”, e por fim, adiciona o uso de recursos públicos para publicar notas na TV, onde se mostra bonzinho e preocupado com a Educação.

    Portanto, o governo manipula fatos reais, porque tira direitos da categoria, como a regência de classe, desestruturando o Plano de Carreira; enfim, castiga os servidores da Educação!

    Em relação à Lei do Piso (11.738/2002), quem garante que o governo vai cumpri-la se sairmos da greve? O governo em nenhum momento fez uma proposta que respeitasse os percentuais do quadro de carreira. Ou seja, o governo mente, enrola e manipula.

    Neste caso, terminar com a greve significaria validar, enquanto categoria do Magistério, as ações do governo tais como: não garantia das regências e a desconfiguração do Plano de Cargos e Salários, além de outras perdas.

    Portanto, convidamos a todos a se manterem firmes na Greve. Dizendo um “NÃO” às manobras políticas que têm como objetivo desmobilizar a categoria e descaracterizar o foco de nossa luta. Não admitimos ser massa de manobra.

    Apesar dos 50 dias de embate, ainda nos mantemos firmes. Somos muitos lutando pelo mesmo ideal. Nunca, em Santa Catarina, houve tamanha adesão e permanência de uma categoria num movimento legitimamente constituído.

    Assim, conclamamos os companheiros de todas as regionais que fortaleçam o movimento, visto que há chances de vitórias reais. Não apenas “avanços” como querem nos fazer acreditar. Enfim, só sairemos do movimento se obtivermos um cronograma de pagamento da aplicação da Lei do Piso Nacional do Magistério, no Plano de Carreira do Magistério Público Estadual de Santa Catarina vigente na data de 18 de maio de 2011, sem prejuízo dos direitos anteriormente conquistados.

    QUEREMOS GANHOS E NÃO PERDAS!

    PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO NÃO SERÃO LUDRIBIADOS!

    A GREVE CONTINUA!”

    ResponderExcluir