terça-feira, 31 de maio de 2011

Moção em apoio a greve do SINTE

logo cut-sc B


Nossa solidariedade aos trabalhadores e trabalhadoras da educação da rede pública estadual catarinense.
Nós, trabalhadores e trabalhadoras de sindicatos cutistas das várias categorias da iniciativa privada e dos serviços públicos das três esferas de Governo (Federal, Estadual e Municipal) no Estado de Santa Catarina, reunidos no Seminário Estadual “O papel do Estado na sociedade”, realizado nos dias 26 e 27 de maio do corrente, na Escola Sindical Sul, em Florianópolis, explicitamos nosso incondicional apoio aos trabalhadores e trabalhadoras da educação da rede pública estadual catarinense.

Somos solidários aos companheiros e companheiras na reivindicação da sua pauta, por considerarmos a educação pública e de qualidade um direito de toda a população e um dever do Estado, o que se faz com trabalhadores e trabalhadoras valorizados.
Reforçamos a posição de todo o movimento sindical cutista de que a luta pela implantação do piso salarial profissional dos trabalhadores na educação deve seguir os preceitos da isonomia salarial e valorização da carreira.
Para nós, dirigentes sindicais de todo o Estado de SC, é inadmissível que no Estado catarinense, o quarto PIB da federação e com uma das melhores arrecadações do país, não seja reconhecida a possibilidade de pagamento da lei do piso nacional com a manutenção do plano de carreira do magistério catarinense.

Por último, apelamos ao bom senso do Governo do Estado em reabrir o processo de negociação para que, dentro do espírito democrático, sejam criadas as condições mínimas possíveis para avançarmos no pleito dos trabalhadores e trabalhadoras e, assim, por fim a greve.

Florianópolis, 27 de maio de 2011.

Dirigentes sindicais cutistas das várias categorias da iniciativa privada e dos serviços públicos das três esferas de Governo (Federal, Estadual e Municipal) no Estado de Santa Catarina participantes do Seminário.

Moção de apoio da CNTE aos trabalhadores em Educação de SC

MOÇÃO DE APOIO AOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DE SANTA CATARINA

A Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, entidade representativa de mais de 2,5 milhões de profissionais da educação básica pública no Brasil, à qual o SINTE/SC - Sindicato dos Trabalhadores em Educação na Rede Pública do Ensino do Estado de Santa Catarina é afiliado, vem a público reiterar o APOIO à greve dos educadores de Santa Catarina, por entender que a luta pelo Piso Salarial Nacional do Magistério, por melhores condições de trabalho e pela qualidade social da educação pública é legítima.

Para a CNTE, somente mobilizados e organizados, os(as) trabalhadores(as) em educação poderão construir uma escola pública gratuita e de qualidade para todos e em todos os níveis e modalidades de ensino. A deflagração de greve é o último recurso usado na luta por melhores condições de trabalho.


Neste sentido, a Confederação espera que o governador, João Raimundo Colombo, reabra o canal negociação com o Comando de Greve, reconhecendo, na prática, o direito constitucional à livre associação sindical e, conseqüentemente, o direito de negociar as suas condições de trabalho e perspectivas de carreira para o funcionamento permanente da educação pública.


Assim, a CNTE espera que seja encaminhada, com urgência, uma proposta concreta para as reivindicações da categoria, uma vez que a Lei do Piso Salarial Nacional do Magistério é uma conquista, não somente para os trabalhadores em educação, mas também para a sociedade brasileira, uma vez que a valorização do educador reflete na melhoria da qualidade da educação.



Brasília (DF), 27 de maio de 2011


Roberto Franklin de Leão

Presidente

Colombo vai a Brasília na 4ª feira para audiência especial com o MEC

O governador Raimundo Colombo estará na próxima quarta-feira em Brasília. Teve confirmação de audiência especial com o ministro da Educação, Fernando Haddad,depois que desembarcou em Florianópolis, procedente da Europa. Deverá tratar da liberação de recursos federais para fazer uma nova proposta aos professores da rede estadual de ensino e viabilizar o fim da greve.
Colombo recebeu um relato informal da greve do vice Eduardo Moreira no hangar do governo no aeroporto Hercilio Luz. Conversou depois com o secretário da Educação, Marco Tebaldi, que também transmitiu informações sobre a situação. Tinha agendado encontro com o vice Eduardo Moreira no sábado. Marcou reunião com o grupo gestor neste domingo. Esta avaliação poderá ser decisiva para as negociações com os professores.
O governo tem apenas uma posição inarredável. Diz que não há condições financeiras para aplicação integral do piso salarial a todos os integrantes do magistério. A folha teria um aumento mensal de 100 milhões de reais. A única opção que restaria para esta hipótese talvez fosse o pagamento em quatro anos, como ocorreu no Rio Grande do Sul e a fórmula adotada em São Paulo. É, contudo, a possibilidade mais remota. Como a rejeição dos professores contra a medida provisória foi consensual e acabou se fortalecendo entre os integrantes da carreira e até entre os ACTs, a única via razoável é da negociação. E com nova proposta. O governo parece convencido de que só com a medida provisória não vai acabar com a greve. E os prejuízos políticos estão se acumulando. A votação da medida provisória na Assembleia, se não for melhorada a tabela salarial, tem tudo para se transformar num campo de batalha, com novas perdas também para os deputados da base governista. O preço a ser pago, mesmo que a medida seja aprovada, seria alto demais. (Do blog do jornalista Moacir Pereira, postado no dia 30 de maio de 2011)

Impacto nas contas: Governo de SC não repassou R$ 1,6 bi para a Educação

O governo do Estado deixou de repassar, nos últimos anos, a quantia de R$ 1,670 bilhão para a educação e de R$ 627,700 milhões para o setor saúde. É o que consta da página 92 do parecer prévio do conselheiro
Salomão Ribas Júnior nas contas do governo Luiz Henrique/Pavan de 2010.

Um substancioso documento técnico de 128 páginas traz, de forma  didática, apreciações judiciosas e esclarecedoras sobre a receita tributária estadual e a destinação dos recursos aos poderes, aos
diferentes setores, às empresas e demais órgãos públicos.

Ao avaliar o funcionamento dos quatro fundos criados no governo Luiz
Henrique (Esporte, Turismo, Cultura e Fundo Social), o relator revela
que no quinquênio (2006-2010) o Estado deixou de repassar para a
educação e saúde a quantia de R$ 689,910 milhões, considerando o
desvio dos quatro fundos, cujo recursos não são computados na receita
tributária estadual. São, assim, excluídos da redistribuição aos
poderes e setores definidos na Constituição, como saúde (12%) e
educação (25%). Ressalta o documento, de forma textual: “Desse valor
(689 milhões), R$ 465,910 milhões foram subtraídos da educação e R$
223,640 milhões da saúde”.

O relator somou, também, os valores destinados ao pagamento de
inativos na saúde e na educação e o que foi contabilizado como
investimento nas duas áreas. Chegou às somas de R$ 1,210 bilhão não
aplicados na educação e R$ 404 milhões não destinados à saúde. Ele
lembrou decisão do TCE determinando à Secretaria da Fazenda que inclua
a receita do Fundo Social na base de cálculo para aplicações mínimas e
constitucionais na educação e na saúde. A Fazenda insurgiu-se contra a
decisão. O processo tramita no Tribunal de Contas. É relatado pelo
auditor Cléber Muniz Gavil.
(do jornalista Moacir Pereira)

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Quilombo faz caminhada e entrega ofício na SDR pedindo apoio à greve


Atividade na frente da ALESC reúne mil professores

O 13º dia de greve dos trabalhadores do magistério contou nesta 2ª feira, em Florianópolis, com a presença da professora Amanda Gurgel, do Rio Grande do Norte, que veio ao estado prestar apoio à paralisação do magistério e participou das atividades organizadas pela categoria na praça Tancredo Neves, na frente da ALESC, e que contou com cerca de mil pessoas.
Hoje, o movimento de greve na rede pública estadual completa 13 dias, sem que o Governo tenha acenado positivamente para a reivindicação da categoria, que exige a implantação do Piso como vencimento inicial na carreira sem alteração da tabela salarial.
A professora potiguara transmitiu mensagem de força aos professores, que lutam por melhorias salariais, e recomendou que a greve dos profissionais da Educação de Santa Catarina se mantenha firme na busca pelo Piso. No estado do Rio Grande do Norte, o magistério também está greve por valorização profissional.
A coordenadora e diretores do SINTE/SC também participaram da manifestação e informaram que o movimento de paralisação é cada vez mais e hoje conta com mais de 92% de adesão.
No final das atividades, os grevistas saíram em caminhada até o Terminal Central de Florianópolis. Todos carregaram velas acesas, numa manifestação que foi chamada de “caminhada luminosa”.

ASESC faz reunião com diretores de escolas e decreta que greve é direito de luta dos trabalhadores

Nesta semana está acontecendo uma coisa inédita na história de SC: os diretores das escolas públicas fizeram várias reuniões por município e finalmente uma com todos os diretores da Grande Florianópolis para discutir a greve e a posição destes no movimento.

No dia de hoje um fato marca a história dos educadores de SC, diretores eleitos e indicados, que são professores de carreira, se juntam e decidem apoiar o movimento dos educadores de SC que estão em greve desde o dia 18 de maio.

Essa atitude se deve ao descaso que o governo e secretário da Educação estão tendo com a carreira do magistério após a aprovação do piso, colocando todos os nossos anos de formação e dedicação ao magistério no LIXO.

A decisão dos diretores foi de não enviar os nomes dos grevistas, pois entende que greve não é falta ao trabalho é direito de luta dos trabalhadores. Fica no ar um protesto para este governo. Até quando ele pretende continuar nos ignorando. Companheiros, a luta continua e não devemos abrir mão dos nossos direitos.

Presidente da ASESC

Deputados do sul assinaram termo de compromisso de rejeitarem a Medida Provisória 188/2011.


Os deputados estaduais Altair Guidi e Valmir Comin aceitaram convite do SINTE regional de Criciúma e participaram de uma reunião, seguido de um debate, com o Comando de Greve onde foram explicados os prejuízos de uma eventual aprovação da Medida Provisória na carreira dos trabalhadores em educação.

Os deputados assinaram termo de compromisso em não votar a Medida Provisória.

O deputado Doía, do PSDB, também convidado, não compareceu à reunião.

Professores de Otacílio Costa e Nova Trento: distribuem carta sobre a greve da Educação

Nós, professores da rede pública estadual de Otacílio Costa, participantes da greve do magistério, dia 27 de maio, sexta-feira, realizamos uma passeata nas principais avenidas dos bairros Centro Administrativo, Santa Catarina, Pinheiros e Fátima. De maneira pacífica, com faixas cobrando respostas do governo estadual em relação à aplicação do piso respeitando o Plano de Carreira do Magistério. Durante duas horas professores e alunos caminharam, acompanhados pela Polícia Militar que ajudou na segurança do trânsito. Os professores entregaram à população otaciliense uma carta explicando os motivos da continuação da greve de 4 escolas da rede estadual: E.E.B. Agar Alves Nunes, E.E.B. Elza Deeke, E.E.B. Nossa Senhora de Fátima e APAE-Escola de Educação Especial Amigos para SEmpre o que representa 90% da rede estadual no município.
Professora Cristina Sutil - E.E.B. Agar Alves Nunes
Carta à comunidade Otaciliense

Nós, educadores da Rede Estadual de Ensino de Otacílio Costa, gostaríamos de esclarecer à comunidade otaciliense quais foram os motivos que nos levaram a manter a greve do magistério público estadual.
Primeiramente queremos expressar toda a nossa indignação em relação à proposta feita pelo governo estadual aos educadores na segunda-feira, dia 23 de maio, que entra para a história como a “segunda- feira negra” da educação catarinense.
É inacreditável a ousadia de tais autoridades que simplesmente ignoraram o plano de carreira do magistério público catarinense e ofereceram um reajuste salarial diferenciado, prejudicando impiedosamente aqueles profissionais que têm mais tempo de serviço. Mais uma vez o governo usou de uma manobra maquiavélica com o único intuito de enfraquecer o movimento grevista e dividir a categoria, pois a proposta de elevar o piso salarial apenas daqueles professores em início de carreira é um ultraje, uma afronta aos educadores deste estado.

Esta teria sido uma atitude louvável se os profissionais efetivos da educação, com mais tempo de serviço, graduação e pós-graduação não tivessem sido completamente ignorados, pois não receberam sequer R$ 1,00 de aumento salarial e mais, viram todo o seu histórico na educação, até então estruturado em torno do Plano de Cargo e Salários, ser pulverizado com o desprezível propósito de atender aos interesses espúrios e imediatistas deste “desgoverno”.

Nossa decepção se estende também àqueles profissionais da Educação que se omitiram neste momento sublime e simplesmente se recusaram a apoiar esta greve e tudo o que ela representa. Além de darem as costas aos seus companheiros de luta, muitas vezes, por motivos injustificáveis, acabam servindo aos interesses únicos da classe governante. E o pior disto tudo, é que o fazem em detrimento de sua própria categoria profissional.
E a você, cidadão catarinense, nós perguntamos: “Que tipo de educação vocês querem para seus filhos? Como alguém que se recusa a lutar por uma causa tão nobre, pode exigir que seus alunos sejam críticos, ousados e transformadores?”
Nós profissionais da educação aderimos à greve. Aderimos por entender que a escola é um dos componentes da formação do cidadão. Portanto, aderir à greve também deve significar para nossos alunos que o cidadão deve lutar pelos seus direitos.
Aderimos a greve e continuaremos lutando pelo nosso direito. Gostaríamos de voltar às salas de aula, no entanto só retornaremos, quando o governo obedecer à lei... Estamos em greve sim, e continuaremos nela até o governo cumprir a lei do Plano de Carreira do Magistério de Santa Catarina.
Assinam os professores da rede pública Estadual de Otacílio Costa.

(carta elaborada pelos professores de Otacílio Costa com trechos da carta escrita por professores de Nova Trento-SC)


"Se você acha a educação cara, experimente a ignorância"
Derek Bok, professor da Universidade de Harvard.

Joaçaba: 400 professores participaram de ato público que teve presença de lideranças políticas do estado




O SINTE Regional Joaçaba realizou um grande ato público na Praça da Catedral, com a participação de aproximadamente 400 professores. Lideranças políticas, como o deputado federal Pedro Uczai e a deputada estadual Luciane Carminatti estiveram presentes no evento.

Houve distribuição de material informativo sobre os motivos da paralisação do magistério estadual.

Os trabalhadores da Educação entregaram ofício na prefeitura municipal solicitando o apoio dos prefeitos de Joaçaba, Luzerna e Herval d’Oeste ao movimento de greve do magistério.


Foi um acontecimento inédito em Joaçaba, e segue anexo as fotos que comprovam.

Ato público marca a 2ª, 30/05, em Turvo

A regional de Araranguá, onde a adesão à greve está cada vez maior, programou para esta 2ª feira, 30 de maio, uma assembleia municipal, seguida de um ato público, às 14h, no município de Turvo.

Para amanhã, 31 de maio, será a vez de uma concentração a partir das 14h na frente da sede do Sinte Regional Araranguá. Todos os profissionais da Educação deverão comparecer com cópias de seus diplomas de faculdade e/ou pós-Graduação.

É mais uma atividade da regional para pressionar o Governo a ouvir nosso Sindicato.

Nota do MEN/UFSC em apoio a greve do magistério

Os professores do Departamento de Metodologia do Ensino, do Centro de Ciências da Educação da UFSC, solidários aos professores da Rede Estadual, seus colegas e principais parceiros na importante tarefa de formar os professores para as escolas públicas do país, vêm a público denunciar e repudiar as ameaças de retaliação ao Movimento Grevista representadas pelos termos de uma circular da Secretaria de Educação e Desenvolvimento do Estado de Santa Catarina – SED (Ofício Circular nº 691/11/DIDH/DIEB), assinada pela Diretora de Desenvolvimento Humano Elizete Melo e pela Diretora de Educação Básica e Profissionalizante Gilda Mara, na qual o autoritarismo e a falta de vontade em cumprir a Lei do Piso Nacional da Secretaria de Educação ficaram evidentes para toda sociedade catarinense.
Encaminhada aos diretores e diretoras de escolas, a circular, bem ao gosto dos tempos mais autoritários da história do país, exige uma relação diária dos nomes de professores, assistentes pedagógicos, técnicos pedagógicos, diretores e assistentes de direção em greve. Não bastasse isso, proíbe a realização de reuniões, assembléias e outras atividades de greve nas dependências das escolas; determina 1/3 de falta para os educadores que estivesse ministrando aulas de apenas 30 minutos, conforme fora deliberado na Assembléia dos professores liderados pelo SINTE, e, para assustar os que ainda não são do quadro permanente, logo, os mais fragilizados, afirma que não recontratará os ACTS que neste momento estiverem paralisados e apoiando a greve da categoria.
A circular também prevê medidas administrativas contra os diretores/as ou funcionários/as que se negarem a emitir as listas de grevistas, afirmando que as gerências de ensino devem fiscalizar o cumprimento das ordens da SED.
Indignados pela ousadia dos termos das referidas circulares e entendendo que o momento histórico não comporta mais tais atitudes claramente autoritárias e desrespeitosas ao conjunto dos professores estaduais legitimamente em luta pela aplicação da lei do piso salarial para a carreira do magistério, os professores do MEN decidiram fazer as seguintes considerações a respeito do Movimento ora deflagrado e encaminhá-las às autoridades competentes.

Como vem acontecendo em sucessivos inícios de ano letivo, em muitas escolas do estado as aulas começaram com muitas precariedades, conforme atestam as mais variadas matérias na mídia tanto escrita como televisiva. Faltam professores e funcionários, os prédios estão mal conservados, há sobrecarga de trabalho em todas as funções, entre outras mazelas com que a comunidade escolar tem que se haver cotidianamente para continuar ofertando os serviços educacionais que dela se esperam.

Não bastasse esta situação caótica, comprometida ainda mais pela crescente violência que vem assolando as escolas e perturbando a convivência de alunos, pais, funcionários e professores, o governo do Estado de Santa Catarina, desde a aprovação, em julho de 2008, da Lei do Piso Nacional Salarial para professores da educação básica, insiste em descumpri-la: primeiro, acompanhando os Estados de Ceará, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul numa ação de inconstitucionalidade da referida lei; depois, ao perder a ação no Supremo Tribunal de Justiça -STJ, tentando incluir no piso os abonos salariais e todas as gratificações que por ventura houvesse na carreira do magistério. Também continuou questionando a existência das horas remuneradas (um terço da carga horária) para estudos, preparação de aulas, correção de trabalhos etc. cláusula constante da lei do piso.

Com todas essas agressões ao direito e à justiça, era de se esperar que os professores reagissem à altura. Nacionalmente, com a liderança da CNTE, e em cada estado, com os sindicatos locais – aqui em Santa Catarina o SINTE- os professores deflagraram a mais forte greve da categoria nos últimos anos. Com o apoio quase unânime da sociedade, é impensável que ficássemos calados face às ameaças “fora de lugar” que a SED/SC resolveu por em curso.
Os professores do MEN, então, conclamam todos os colegas e dirigentes do CED e da UFSC – o maior e o mais qualificado centro de formação de professores para o Estado de Santa Catarina, que exijam das autoridades constituídas um voto de repulsa às referidas circulares, solicitando que sejam imediatamente abertas negociações visando ao atendimento das justas reivindicações dos colegas professores estaduais em greve, muitos dos quais, certamente, nossos ex-alunos.

Dados gerais da greve em Joaçaba

JOAÇABA:
E.E.B. GOV. CELSO RAMOS: 75%
E.E.B. FREI BRUNO: 70%
E.E.B. NELSON PEDRINI: 90%
E.E.B. OSCAR R. DA NOVA: 60%
E.E.B. JULIETA LENTES PUERTA: 50%
E.E.B. DULCE : 95%
CEJA: 65%
APAE: 100%

HERVAL D' OESTE:
E.E.B. EUGENIO: 20%
E.E.B. SÃO JOSÉ: 20%
E.E.B. ODILON FERNANDES: 50%
E.E.B. MELO E ALVIM: 30%

LUZERNA:
E.E.B. PE. NÓBREGA: 95%

LACERDÓPOLIS:
E.E.B. JOAQUIM D'AGOSTINI: 95%

AGUA DOCE:
CEDUP: 100%
E.E.B. RUTH LEBARBECHON: 90%

CATANDUVAS:
E.E.B. IRMÃ WIENFRIDA: 75%

IBICARÉ:
E.E.B. IRMÃO JOAQUIM: 100%

JABORÁ:
E.E.B. VITOR FELIPE RAUEN: 90%

TREZE TÍLIAS:
E.E.B. SÃO JOSE: 100%
EJA: 100%

VARGEM BONITA:

E.E.B. VITÓRIO ROMAN: 100%
E.E.B. GALEAZZO PAGANELLI: 100%

ERVAL VELHO:
E.E.B. PROF. AGENOR PIOVESAN: 99%

OURO:

E.E.B. FREI CRISPIM – 100%

CAPINZAL:

E.E.B. BELIZÁRIO PENA – 40

Amanda Gurgel vem a Florianópolis apoiar greve do magistério

A professora Amanda Gurgel, do Rio Grande do Norte, participa hoje, 30, das atividades dos professores em greve na frente da ALESC.
Ás 15h, ela faz palestra sobre as condições da educação pública estadual.

Itapiranga elabora manifesto e entrega às autoridades de ensino

EXMO SENHOR

MARCO TEBALDI

SECRETARIO DE ESTADO DE EDUCAÇÃO

MANIFESTO DIRETORES E ASSESSORES DE DIREÇÃO GERED DE ITAPIRANGA


Os diretores e assessores da 31ª GERED de Itapiranga, reunidos no auditório da EEB São Vicente discutiram a situação da greve do Magistério Publico Estadual de Santa Catarina e manifestam sua insatisfação em relação a realidade apresentada nas Escolas da Gerencia diante da proposta salarial feita pelo governo. A continuidade dos projetos pedagógicos sugeridos pela SED e escolas, como todo o trabalho educacional, estão comprometidos. Constata-se um desânimo generalizado (direção, professores, assistentes, alunos e entidades democráticas). Esperamos que o governo retome imediatamente o diálogo com o magistério e apresente uma proposta digna para toda a categoria para que a situação se normalize e dessa forma o governo possa concretizar o seu projeto político.

O sentimento do grupo de diretores e assessores é de acompanhar o movimento de greve.

ITAPIRANGA, 26 DE MAIO DE 2011

Bandeiraço movimenta o magistério em Tubarão

A sexta-feira, 27/05, marcou o décimo dia de greve dos trabalhadores em Educação da rede pública estadual. Várias atividades foram deflagradas em todo o estado para reforçar a paralisação do magistério. Em Tubarão, a categoria realizou um bandeiraço, com carro de som, faixas pelas principais ruas da cidade. Cerca de 50 pessoas participaram da manifestação, que aconteceu entre às 14 e 16h.

             Segunda-feira, 30/05/2011 - 13º DIA DE GREVE

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Professores de São José fazem protesto no bairro Kobrasol

Os educadores da rede estadual, em greve há 10 dias, realizaram na 5ª feira, 26, uma manifestação na avenida Central do Kobrasol, com pedágio e distribuição de uma carta aberta à população com os motivos da paralisação do magistério.

A categoria suspendeu as atividades no último 18 de maio para exigir do Governo de Santa Catarina o cumprimento da Lei do Piso Nacional.

Professores fazem passeata das velas em Tubarão




Oração feita pela regional de Tubarão: curtinha, mas poderosa!

Governador nosso que estais no poder;
Porque foi eleito pelo povo!
Pagai hoje o nosso Piso,
Assim no estado como no município,
Livrai-nos da ignorância
Valorizando a Educação.

Manifestação de educadores em Chapecó




Chapecó solicita apoio de vereadores na luta do Piso

Regional Chapecó entregou documento na Câmara Municipal, solicitando apoio na luta para o governo reabrir negociação e apresentar nova proposta para o Piso do magistério.

CONVITE DE MOBILIZAÇÃO DE LAGES

Cartaz de mobilização de Lages

Alunas de Porto União criam blog em apoio à greve

Alunas do Ensino Médio de escola estadual de Porto União criaram blog
em apoio a GREVE DOS PROFESSORES. Vale a pena conferir:

http://professores-sc.blogspot.com/

MOÇÃO DE APOIO DO SINTAEMA À GREVE ESTADUAL DE PROFESSORES

MOÇÃO DE APOIO À GREVE ESTADUAL DE PROFESSORES

Aos professores e professoras do Estado de Santa Catarina,

O Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de Santa Catarina vem a público manifestar seu apoio incondicional à greve de professores e professoras da Rede Pública de Ensino Estadual, por entender que é legítimo direito da classe trabalhadora a luta pela melhoria de suas condições de trabalho e, consequentemente, do Setor da Educação neste Estado.

Reforçamos o coro da sociedade organizada em defesa do cumprimento da Lei Federal Nº11.738/2008, a qual o Supremo Tribunal Federal julgou como constitucional. Somente com a mobilização e a unidade da classe trabalhadora é que poderemos alcançar uma sociedade igualitária, baseada no espírito da liberdade e da justiça social.

É preciso investimentos e planejamento adequados para a educação, com valorização do profissional, oportunidades de qualificação e vida digna. Neste sentido, o SINTAEMA-SC espera que o Governo do Estado de Santa Catarina apresente uma proposta concreta à categoria, com vistas à valorização da docência, à perspectiva de carreira e, sobretudo, alicerçada no projeto de educação pública de qualidade, direito de todos os cidadãos brasileiros.

Deixamos aqui nosso respeito e admiração por esta categoria, fundamental para a formação do caráter e conhecimento de cidadãos e cidadãs na busca de uma sociedade justa e democrática.

Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de Santa Catarina
SINTAEMA-SC

Florianópolis, 26 de maio de 2011.

Link para o comunicado do sinte

Comunicado do SINTE/SC sobre a Greve:


http://www.youtube.com/watch?v=j5Sqv1ie8eo

UNEF divulga nota em apoio à greve do magistério

São Francisco do Sul, 23 de Maio de 2011





Nota Oficial nº 001/2011



Assunto: Greve dos Servidores Públicos de Educação da Rede Estadual



A UNEF – União Estudantil Francisquense, por entender que o mundo gira em torno da educação fica sensibilizada em vivenciar uma greve. Acreditamos que não haveria necessidade, se os direitos daqueles que lutam por uma educação de qualidade fossem respeitados.


Somos estudantes de várias entidades, e a nossa frente aquele que chamamos de “Mestre”, idealiza conosco nossos sonhos, chama nossa atenção, procura fôlego para continuar, lapida pedras brutas, muitas vezes faz papel de pai. Esperamos e acreditamos em uma solução rápida pelo Governo do Estado, por sabermos que Santa Catarina é um dos Estados que tem uma boa qualidade em Educação e se preocupa por um futuro ainda melhor.


Afirmamos, não haveria necessidade de greve se os direitos fossem respeitados.


Não existe máquina que substitua o professor, nosso carinho e agradecimento a cada um deles. A Educação continua e queremos que continue com qualidade.




Não é o discípulo mais do que o seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre”.


Lucas 6:40b.







DIRETORIA EXECUTIVA

GESTÃO 2010/2011

Informe do SINTE/SC na mídia desmente o governo

Desde ontem, circula nos veículos de comunicação de Santa Catarina um informe do SINTE/SC com esclarecimentos à população dos motivos que levaram os trabalhadores em Educação a deflagrarem a greve, e a firme decisão da categoria de manter a paralisação até que a Lei do Piso seja respeitada.

O informe do SINTE/SC será veiculado na CBN Rádio, nos dias 26, 27 e 30 de maio em horários rotativos. Na TVBV nos dias 26 e 27 de maio, também em horários rotativos. E na RBSTV, no dia 30 de maio, nos intervalos do Jornal do Almoço Blumenau, Jornal do Almoço Joaçaba, Jornal do Almoço Joinville, novela das 18h em Criciúma, programa Vale a Pena Ver de Novo em todo o estado, e programa Vale a Pena Ver de Novo em Chapecó.

O informe tem como objetivo corrigir as informações repassadas pelo Governo em comunicado que circula na mídia catarinense, e que têm como finalidade enfraquecer o movimento de greve dos profissionais da Educação.

Link para o comunicado do SINTE:

http://www.youtube.com/watch?v=j5Sqv1ie8eo

Brusque enterra diplomas e entrega caixão à GERED

A regional de Brusque realiza hoje, 6ª feira, um ato solene na praça central de Brusque com o enterro dos diplomas. Depois, os trabalhadores em Educação seguem em caminhada até a GERED para entregar uma coroa e caixão fúnebres ao gerente regional.

Queima simbólica do diploma hoje em Rio do Sul

As regionais do Sinte de Rio do Sul, Ibirama e Ituporanga realizam hoje, 27/05, grande ato na Praça Emembergo Pelizete, em Rio do Sul, com queima simbólica dos diplomas e caminhada para entrega de carta compromisso ao gerente da SDR, reivindicando a intermediação para a negociação do Governo com o SINTE para a implantação do Piso.

Greve em Caçador tem o apoio de alunos


Prof. Amanda Gurgel vem a Florianópolis apoiar greve dos professores

Os professores da rede estadual , em greve desde o dia 18 de maio, promovem uma grande vigília, o “Dia D”, na próxima segunda-feira (30 de maio) com a presença da professora Amanda Gurgel, que ganhou notoriedade após aparecer em vídeo fazendo críticas a situação da educação pública no Rio Grande do Norte.

As atividades do “Dia D” começam às 8h e se estendem até às 18h na Praça Tancredo Neves, em frente à ALESC, com música, brechós, jogos e uma palestra da professora Amanda às 15h.

No final da tarde, os professores farão a “caminhada luminosa”, com velas acesas, até o Terminal Integrado Central (TICEN).

As manifestações dos professores têm como objetivo pressionar a abertura de negociações com o Governo para a implantação da Lei do Piso em Santa Catarina.

ATO E PASSEATAS EM PAPANDUVA E MONTE CASTELO















PROGRAMA FLORIPA EM FOCO NO YOU TUBE

Já está no youtube o programa de quarta-feira, 25/05/11, que teve a participação do SINTE/SC.

Segue abaixo o link:
http://www.youtube.com/watch?v=64q90WCxh60

Regional Curitibanos

Os trabalhadores da regional de Curitibanos percorreram ontem, 26, os bairros de Curitibanos com carro de som. Os educadores informaram à comunidade os motivos da greve do magistério estadual.
Hoje, 27, está previsto um protesto com a queima de diploma na frente da SDR.
Noventa por cento dos educadores da regional de Curitibanos estão paralisados. A expectativa é de que este percentual aumente nos próximos dias pois é grande a indignação da categoria com o governo do estado que não respeita a lei do Piso.

Autoritarismo

Governo não dialoga e utiliza de autoritarismo contra o magistério:

O secretário Marco Tebaldi, em entrevista concedida na manhã de ontem, 26, à rádio CBN, disse que “a greve dos professores pressionou para o achatamento na tabela do magistério”.

APAE de Major Vieira está 100% parada

Cem por cento dos trabalhadores da APAE de Major Vieira aderiram à greve do magistério na manhã desta 5ª feira.

Assembleia Regional de Brusque - 24/05/2011

A assembleia da regional de Brusque contou com a presença de 300 professores que, por unanimidade, decidiram pelo prosseguimento da greve por tempo indeterminado. Independentemente da formação, todos os professores julgaram uma afronta à Educação a proposta de Medida Provisória do governo.

Em clima de revolta, a categoria mostrou unidade e apresentou um quadro apontando que 90% na regional de Brusque estão paralisados. A coordenação estadual apresentou denúncia no Ministério Público da Comarca de Brusque em razão do ofício circular n° 691 encaminhado pela SED às GEREDs e escolas.








Nota oficial da CUT em apoio à greve do magistério catarinense

logocut (2)
Nota oficial da CUT em apoio à greve do magistério catarinense

Mais do que uma vitória dos professores, a Lei do Piso Salarial Nacional do Magistério é uma conquista do povo brasileiro, pois valoriza uma profissão que é essencial para o desenvolvimento sustentável e saudável do nosso país, para o presente e futuro das novas gerações.
 
Por representar um avanço, a aprovação do Piso enfrentou a oposição de governos estaduais reacionários, que tentaram de todas as formas impedir que sua população tivesse acesso a melhores condições de ensino, com professores mais motivados para o exercício profissional. Tais (des)governos chegaram a ir até o Supremo Tribunal Federal para inviabilizar o aumento salarial dos professores, bem como a redução da sua jornada dentro das salas para que tenham mais tempo para prepará-las, melhorando a qualidade. Mas, justiça foi feita, e a sabotagem foi enterrada pelo STF.
 
Inconformado, o governo de Santa Catarina insiste em desrespeitar a lei e se nega a pagar o piso nacional que, conforme os próprios professores, ainda é ineficiente. Além disso, o governador Raimundo Colombo enviou à Assembleia Legislativa uma Medida Provisória para achatar os salários acabando com o Plano de Carreira do Magistério. A reação foi imediata. De forma unitária, a categoria respondeu à falta de educação e de diálogo, paralisando as atividades e indo às ruas para denunciar a postura arbitrária.
 
Solidária aos companheiros e companheiras, que encontram-se em greve há mais de uma semana, a CUT Nacional defende que o governo estadual abra imediatamente negociação com a categoria e apresente uma proposta concreta para por fim ao impasse que criou.
 
Vale reiterar que a Lei do Piso já teve a sua constitucionalidade, julgada e aprovada, e que não cabe a nenhum administrador, seja governador ou prefeito, opor obstáculos à sua plena – e mais do que necessária – efetivação.

Atividades da greve na regional de Chapecó

REGIONAL DE CHAPECÓ

Cronograma das atividades

24/05 – Assembleia Regional – 1000 professores presentes, em seguida foi feito uma caminhada(ato) na principal avenida de Chapecó dialogando com a sociedade. A deliberação da assembléia foi pela continuidade da greve, e que o SINTE apresente uma contraproposta(unanimidade)
25/05 – Concentração na frente da GERED com mais de 500 professores, com caminhada até a maior escola da regional EEB. BOM PASTOR. Também foi entregue oficio pedindo para GERED e Prefeito para que intervenham junto ao governo do estado abrindo negociação e respeitando o Plano de Carreira do Magistério
26/05 – Concentração na Praça Central a partir das 8:00h e à tarde participaremos de uma reunião do fórum dos movimentos sociais e sindical às 14:00h – e as 16:00h será entregue documento e pedindo apoio daquele poder legislativo para que intervenham junto ao governo do estado e bancadas de deputados abrindo assim negociação e respeitando o Plano de Carreira do Magistério
27/05 – Concentração na GERED às 14:00h
      

Município
Escolas
Greve parcial
Greve total
Em Funcionamento
Nome das cidades
Nº total de escolas da região
Nº de Escolas com greve Parcial
Nº de Escolas com greve total
Nº de Escola em Funcionamento
Coronel Freitas
05
01
04
01
Cordilheira Alta
01
 
01
 
Guatambú
02
 
02
 
Caxambú do Sul
02
 
02
 
Águas Frias
01
 
01
 
Sul Brasil
02
01
01
 
Nova Erechim
01
 
01
 
Nova Itaberaba
01
01
 
 
Planalto Alegre
01
01
 
 
Chapecó
30
12
28
Nenhuma normal


Índice de greve da regional ontem(26/05) era de 92%

quinta-feira, 26 de maio de 2011

A GREVE É PARA LUTAR!!!

QUERIDO PROFESSOR(A),

SEJAMOS SOLIDÁRIOS E CONSCIENTES: A GREVE É PARA LUTAR!

FICAR PARALISADO SEM PROTESTAR, PODE SER CONFORTÁVEL, MAS NÃO É ÉTICO!!!

A VITÓRIA DEPENDE DO NOSSO PODER DE ORGANIZAÇÃO.

NÃO DÁ PARA SER ALIENADO E EGOÍSTA NUM MOMENTO TÃO ANGUSTIANTE.

LEMBRE-SE: QUEM SE TOCA, SAI DA TOCA!!!

ABRAÇO CORDIAL,
COMANDO DE GREVE DA REGIONAL DE SÃO JOSÉ.

GREVE DOS PROFESSORES

Canoinhas: Professores fazem caminhada pelas ruas da cidade e vão até a SDR protestar e pleitear o respeito à categoria.