quarta-feira, 9 de maio de 2012

SINTE e CONER se reunem na primeira mesa de negociações

A representação do SINTE SC se reuniu na manhã de hoje com Décio Vargas, Coordenador da Comissão de Negociação do Estado - CONER, e equipe da secretaria, para iniciar as negociações entre magistério e Governo.

A primeira posição do sindicato foi buscar a garantia da criação de um calendário de reposição de aulas, abonando as faltas e não descontando nada da folha de pagamento dos professores grevistas. Manter o recesso de uma semana no mês de julho também faz parte das reivindicações da categoria e foi colocado na mesa. Porém, o Governo não fechou a questão sobre o assunto, e se comprometeu a trazer posição na semana que vem.

O SINTE propôs que a negociação salarial parta da tabela apresentada e aprovada na assembleia de Lages, em 26 de outubro de 2011. Já o Governo se propõe a rever a proposta que apresentou antes da greve, e na vai trazer na próxima semana uma nova proposta de tabela.

Com relação ao reajuste da Lei do Piso Nacional e descompactação da tabela, Décio reafirmou que os recursos financeiros são os mesmos previstos na proposta anterior, sem nenhum adicional, porém foi questionado pelos sindicalistas que se posicionaram na linha de que existe sim, recursos no Estado para garantir o reajuste de 22,22% para todos.

O SINTE acredita que, considerando que, de 2011 para 2012 cerca de 45 mil alunos deixaram a rede estadual por ocasião da municipalização e por migração. Hoje são 602 mil alunos matriculados no Estado e 40 mil docentes, ou seja, 14 alunos por professor. Contundo sabe-se que em sala de aula, geralmente estudam 40 alunos. Então onde estão os outros professores? Os alunos diminuíram e os contratados aumentaram. Dessa maneira entende-se que é necessário o aperfeiçoamento da gestão pública.

Também foi solicitado ao negociador, a presença de um representante da CNTE para se integrar  ao grupo de negociações, como aprovado na última assembleia estadual da categoria.

Segundo Décio, as reivindicações feitas no primeiro dia de negociações serão repassadas ao Secretário, e na segunda-feira, 14, data do segundo encontro, dará o retorno aos dirigentes sindicais.

O Governo concordou ainda, em liberar os delegados das regionais do Estado, para participarem da Conferência Estadual de Educação do SINTE, que acontece dias 17 e 18, em Lages, com a garantia da reposição dessas aulas aos alunos.

Também ficou estabelecido o calendário de negociações, com reuniões nos dias 14, 16, 21, 23, 28 e 30 de maio, a última com a presença do Secretário Eduardo Deschamps.

3 comentários:

  1. Recebi esta semana via e-mail entrevista do ex-secretário Marco Tebaldi a uma radio de Fpolis dizendo dos recursos existentes e como os mesmos são desviados para pagamentos a fontes indevidas. Porque não se aciona judicialmente o governo para que os recursos retornem a quem é de direito, nos professores?

    ResponderExcluir
  2. Boa noite, tive oportunidade de participar de todas as greves e mobilizaçoes destes ultimos 15 anos e nunca aprendi tanto quanto nesta. Penso que nos professoes temos que dar o troco daqui a dois anos, fazer uma anticampanha a base do governo Colombo e a Ele próprio seremos 60 mil contra a triplice aliança ou polialiança.

    ResponderExcluir
  3. Ana Lúcia - Sinte Regional Laguna10 de maio de 2012 11:38

    No dia 21 de junho de 2011 estive presente na Audiência Pública - Rumos da Educação Pública de Santa Catarina, na ALESC, momento em que estávamos em GREVE cobrando do Governo que cumprisse a Lei.
    Várias falas naquele dia foram pertinentes para o momento, porém a frase que ficou martelando dentro da minha cabeça foi a declaração em apoio aos professores do Deputado Ismael, num depoimento curto e direto:
    "Eu quero tão somente traçar uma reflexão. Edmund Burke, filósofo, dizia o seguinte: A lei tem apenas dois e tão somente dois componentes, a legitimidade e a moralidade.
    Eu quero pedir escusas para o Ministério Público, mas o Fundeb pode até ser legítimo na sua base de cálculo e está indo para os poderes, mas não é moral".

    Leiam também um trecho do texto extraído do blog do André Leandro Barbi de Souza

    Não pode existir lei imoral!
    A produção de leis imorais é um sinal claro de que o legislador, e nesse papel encontram-se o governo e o parlamentar, ainda não assimilou a importância e a responsabilidade ética de sua pública função. Mais, ainda, não se percebeu como filtro moral. E é justamente a ausência dessa percepção que abre espaço para a corrupção, para o mau uso do aparelho governamental, para o desvio de condutas e de recursos públicos e para o abuso do poder de legislar.

    Portanto, onde existir lei imoral tem corrupção. É a terra dos sem leis.

    Finalizando, estamos claros dos nossos direitos, mas no meio do caminho há uma pedra (corrupção).

    Quer ler mais?
    Acesse o blog do Sinte Regional Laguna
    sintelaguna.blogspot.com

    Questionamento simples: Pq no Blog do Sinte Estadual não aparecem links dos blogs das Regionais? Acompanho vários blogs: Sinte Laguna, Tubarão, Criciúma, Itajaí, Lages...entre outros que talvez existam e nem tenho conhecimento. Aceite esse questionamento como uma sugestão.

    Abraços a todos professores que merecem meu respeito, guerreiros!!!

    ResponderExcluir